A Teologia Da Prosperidade I

  • Published on
    24-Jun-2015

  • View
    577

  • Download
    6

Transcript

Segundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares INTRODUO- Teologia da prosperidade ou confisso positiva ou movimento da f - doutrina distorcida a respeito de Deus, de forte contedo materialista, infiltrada no meio do povo evanglico. - Paulo foi clarssimo ao afirmar que se esperarmos em Cristo s para as coisas desta vida seremos os mais miserveis de todos os homens (I Co.15:19). Esta a triste situao espiritual dos milhes que tm procurado Jesus nica e exclusivamente para terem a prosperidade apregoada pelos falsos mestres da atualidade, eles mesmos escravos da ganncia (II Pe.2:3).www.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso FranciscoSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares I A TEOLOGIA DISTORCIDA DOS AMIGOS DE J: A ORIGEM REMOTA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE- As razes da teologia da prosperidade encontram-se no livro de J na teologia distorcida dos amigos de J, cujos conceitos sobre Deus foram reprovados pelo prprio Senhor - J 42:7. - Contedo da teologia dos amigos de J: a) h uma relao de barganha entre Deus e os homens b) h uma correspondncia entre o bem-estar fsico e social e o bem-estar espiritual de algum c)o arrependimento dos pecados concede automaticamente sade fsica e prosperidade material.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares II HISTRIA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE : OS INSPIRADORES OCULTISTAS DO MOVIMENTO- A histria da teologia da prosperidade teve incio com o norte-americano Phineas Parkhurst Quimby (18021866), que se dedicou cura de doenas por intermdio da mente. - Suas idias deram origem a movimentos como o Novo Pensamento, de Julius e Anneta Dresser e a Cincia Crist, de Mary Baker Glover Patterson Eddy.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Para Quimby, sade sabedoria perfeita e o quanto um homem sbio, assim a sua sade. Como nenhum homem perfeitamente sbio, nenhum homem pode ter perfeita sade, pois a ignorncia a doena, embora no necessariamente acompanhada por dor - Idias de Quimby sobre Jesus: a) Jesus, enquanto homem, no era nem podia ser Deus, j que Deus no Se manifestaria em carne e sangue b) Jesus no pretendeu convencer o mundo de que era o Filho de Deus c) o corpo de Cristo era distinto do corpo de JesusColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Movimento Cincia Crist - fundado por Mary Baker Glover Patterson Eddy(1821-1910) antiga paciente de Quimby - Eddy apresentou diversas doutrinas contrrias s Escrituras, entre as quais: a) Seu livro Cincia e Sade tinha o mesmo valor que a Bblia b) Jesus a idia espiritual e verdadeira de Deus c) O Cristo morou eternamente como idia no seio de Deus, o Princpio divino do homem Jesus. - Para Mary Baker Eddy, uma doena era sempre uma iluso mental que poderia ser curada por meio de uma mais clara percepo de Deus.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares III A HISTRIA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE: ESSEK WILLIAM KENYON E SUAS PRINCIPAIS DOUTRINAS- Essek William Kenyon (1867-1948) aproxima-se das idias de Mary Eddy e, com base nelas, constri uma nova leitura da redeno em Cristo Jesus - Kenyon o grande mentor dos pregadores da teologia da prosperidade, entre os quais se destacam Kenneth Hagin, Tommy L. Osborn e F.F. Bosworth.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Primeiro ensino de Kenyon, onde se percebe a ntida influncia de Quimby e de Eddy - pecado e doena so um s. Eles no podem dominar a nova criatura().O que Deus diz, . Se voc uma nova criatura, ento no h condenao para voc. Se no h condenao, a doena no pode ser Senhora sobre voc. - Refutao bblica A doena est inserida nas conseqncias do pecado (Gn.3:19) mas a doena no significa necessariamente que haja pecado. Exemplos de pessoas que, embora estivessem doentes, estavam em comunho com Deus: J, Eliseu (II Rs.13:14), o cego de nascena (Jo.9:3) e Timteo (I Tm.5:23).www.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso FranciscoSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Segundo ensino de Kenyon - a salvao nos livrou da pobreza e da necessidade: Vir a hora em que voc saber que a necessidade e a pobre so coisas do passado - Refutao bblica a penosidade e a necessidade do trabalho para sobrevivncia conseqncia do pecado (Gn.3:18,19), mas pobreza no significa necessariamente que haja pecado. Exemplos de pessoas pobres, mas fiis: as vivas da igreja primitiva (At.6:1,2), os crentes da Judia chamados(Rm15:26). - Se pobreza fosse pecado, Jesus jamais Se faria pobre(II Co.8:9), pois nunca pecou (Hb.4:15).www.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso FranciscoSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Terceiro ensino de Kenyon - Jesus, para nos remir, no s sofreu no Calvrio, morrendo por ns, como tambm teve de sofrer no Hades, sede do domnio de Satans, at que Seus direitos fossem reclamados, quando, ento, o diabo no pde mais det-lO e Ele ressurgiu. - Refutao bblica - A morte de Jesus foi suficiente para alcanar a nossa justificao. Sua obra completou-se no Calvrio (Jo.19:30; Rm.5:10). No se fez necessrio acerto de contas algum no Hades com Satans para que Jesus obtivesse o perdo dos nossos pecados, at porque o diabo l no est (Lc.16:19-31), mas, sim, nas regies celestiais (Ef.6:12), de onde ser defenestrado, junto com os seus anjos, quando chegar a Nova Jerusalm, para receber os santos arrebatados pelo Senhor (Ap.12:7-12).Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Quarto ensino de Kenyon - Deus criou o homem, pondo-o aqui na Terra e lhe conferiu alguns direitos legais, que o homem transferiu para Satans, inimigo de Deus. Isto d a Satans o direito legal de ditar regras ao homem e criao. - Refutao bblica: Deus nunca deixou de ser o Ser Soberano, o Ser Supremo, nunca entregou o domnio da Terra ao homem (Sl.24:1). O diabo domina sobre os pecadores, porque quem peca escravo do (Jo.8:34), no tendo o homem condies de escapar da natureza pecaminosa que tem dentro de si (Rm.7:15-24). escravido provocada pelo pecado de cada homem (Tg.1:14,15), que faz com que o homem faa os desejos do diabo (Jo.8:44).Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Quinto ensino de Kenyon - Como Deus est em ns, ns passamos a fazer parte da divindade, no podendo, pois, ter qualquer espcie de sofrimento ou de dor. - Refutao bblica - A salvao no nos faz tornar pequenos deuses, mas, sim, filhos de Deus, que no deixam, porm, de ser homens e, por isso mesmo, submissos ao Senhor. (Mc.12:25; Ef. 1:22; 5:23; Fp.2:9-11; Ap.3:21)Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Sexto ensino de Kenyon O salvo no precisar aguardar a vontade de Deus para pedir algo, basta reclamar pelos seus direitos legais - Refutao bblica Devemos aguardar a vontade de Deus para conseguirmos as bnos, pois nem sempre vontade de Deus no-las conceder. Exemplos de homens de Deus cujas vontades foram contrariadas ou no levadas em conta: Enoque (Gn.5:24 in fine; Hb.11:5), Moiss (Dt.3:26), Elias (I Rs.19:4; II Rs.2:9,10), Joo Batista (Mt.11:3,4), Pedro (J.21:18), Tiago (At.12:1,2) e Joo (Ap.1:9).Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares IV HISTRIA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE: KENNETH HAGIN E A PROPAGAO DAS DOUTRINAS DA CONFISSO POSITIVA-KennethErwin Hagin (1917-2003) o grande divulgador da teologia da prosperidade - Os ensinamentos de Hagin so, basicamente, os mesmos de Kenyon. Alis, segundo se descobriu em 1983, Hagin copiou vrios escritos de Kenyon, em verdadeiro caso de plgio.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares IV OS MODERNOS JUDAIZANTES- Contribuio de Hagin teologia da prosperidade - a palavra da f. - Origem da idia a respeito da palavra da f - uma apario de Jesus a Hagin, em Phoenix, Arizona, quando lhe foram reveladas as chaves para que o povo obtivesse de Deus o que desejasse.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Motivao da viso de Hagin - inquietao com a prosperidade dos mpios, que fonte de desvio espiritual - Sl.73. - Posio bblica quanto prosperidade material a poro acostumada de Agur (Pv.30:7-9), pedido que foi ratificado por Jesus (Mt.6:11), at porque a prioridade, em nossas vidas, o reino de Deus e a sua justia (Mt.6:31-33). - Busca incessante pela satisfao dos desejos e necessidades desta vida, ao invs de mostrar a palavra da f, uma demonstrao de falta de f - Mt.6:30.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares III A REGRESSO PSICOLGICA NO MOVIMENTO G-12- Primeiro ensino de Hagin - Para se obter o que se deseja de Deus, preciso fazer quatro coisas, as chamadas regras da f ou frmulas da f, a saber: a) confessar o que voc quer b) crer que voc tem aquilo que voc quer c) receber o que voc quer d) contar aos outros que voc tem o que voc querColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Refutao bblica - As regras de f: a) no levam em considerao a vontade de Deus, o que contraria o ensino e o exemplo de Jesus (Mt.6:10; 26:39) b) ao dispensar a vontade de Deus, torna o homem independente de Deus, desejo este que sempre foi condenado pelo Senhor (Gn.3:5,6,16-19; Gn.11:4-8; Is.14:13-15; Ez.28:6-10; Dn. 4:30-37; At.12:21-23) c) ao se fiar na prpria vontade, esquece-se que o corao do homem enganoso (Jr.17:9).Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Segundo ensino de Hagin rhema - Da idia da fora da mente, expressa atravs de frmulas de f, chegamos idia de rhema, palavra grega que significa palavra e que, para Hagin, seria distinta de logos, cujo significado tambm palavra. - Rhema - a palavra falada de Deus diretamente pessoa, dotada da mesma autoridade que as Escrituras Hagin procura, assim, dar legitimidade a suas vises e revelaes, esquecendo-se que a Palavra foi completamente revelada por meio do Filho (Hb.1:1).Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Refutao bblica : a) No texto bblico, no h distino entre rhema e logos, termos que so sinnimos e se alternam nos escritos sagrados. b) Se Rhema a palavra da f, vem de Deus e no resultado da vontade do homem. c) A palavra que nos mantm como filhos de Deus (Jo.15:3) , no texto bblico, logos e no rhema d) A revelao de Deus completou-se em Jesus, o Logos de Deus (J.1:1; Hb.1:1)Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Terceiro ensino de Hagin a determinao No precisamos pedir a bno e sim determinar, exigir, mandar, ou seja: tomar posse daquilo que aprendemos pela Palavra que nos pertence.().Quando o Senhor nos d uma revelao, junto a ela Ele nos d a bno.(). A partir de agora, no precisamos mais orar pedindo a cura, a prosperidade ou a vitria sobre as tentaes. Mas, determinar ou exigir que o mal saia da nossa vida. (R.R. Soares) - Uma vez revelada a bno, o que se d por meio de rhema, devemos determinar, confessar O que eu confesso, eu possuo. o que estaria escrito em Jo.14:13.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- determinar no ordenar a Deus e sim ao diabo que tire de ns suas garras e desaparea de nossas vidas, de nosso dinheiro e de nossas famlias (R.R. Soares) - Refutao bblica: a) Em Jo.14:13, a palavra aitesete( ) significa , pedirdes, suplicardes, requererdes, implorardes, ou seja, em momento algum se deixa de ter o significado de pedido, de reconhecimento de autoridade superior b) o salvo no est sob o domnio de Satans e, por isso, no precisa mandar que ele se retire de nossas vidas, pois j estamos nas mos do Senhor (Sl.91:1,2; Jo.6:37; 10:28)Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Refutao bblica (continuao): c) ser salvo viver em constante luta contra o mal, luta que s terminar com a glorificao (Mt.16:18; Ef.6:12,13; II Tm.4:7,8). At l o diabo no desaparecer da nossa frente. d) se o diabo nos atingiu, isto decorre de permisso divina como resultado de uma provao, que nos trar benefcios ao final do processo (Rm.8:28), ou fruto da lei da ceifa (Gl.6:7,8) e, neste caso, cumpre-nos glorificar a Deus porque, apesar das adversidades, sabemos que a nossa salvao est garantida por Cristo Jesus.Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Fatores que explicam o aumento dos adeptos da teologia da prosperidade: a) mensagem est de acordo com o materialismo e individualismo reinantes no mundo de hoje b) h grande falta de conhecimento da Palavra de Deus por parte dos crentes c) mensagem atraente abre as portas para os pregadores da prosperidade na mdia, que muito mais freqentada pelos crentes do que as igrejas locaisColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- Como enfrentar a teologia da prosperidade nas igrejas locais? a) Voltando ao estudo da Palavra e pregao do evangelho genuno, principalmente dando primazia s bnos espirituais b) Voltando a uma vida de santificao e consagrao, para que haja, inclusive, a satisfao das necessidades fsicas e materiais do povo, mediante a confirmao da palavra pelos sinais. c) Alertando os ouvintes da mensagem da prosperidade antes que eles venham a ser inoculados pelo veneno da decepo com Deus, o verdadeiro objetivo satnico atrs da teologia da prosperidadeColaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservadosSegundo Trimestre de 2006 LIO 10 A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE TEMA Heresias e modismos Combatendo os erros doutrinrios COMENTARISTA : Esequias Soares- No h coisa alguma errada com os cristos sendo pensadores positivos e uma boa coisa viver uma vida positiva em Cristo, sabendo que maior O que est em ns, do que o que est no mundo. Mas ns no deveramos confundir nossa pensamento positivo natural como sendo aquela coisa que resolver todos os nossos problemas terrenos e que nos pe no assento de um Cadillac novo todo ano (Elwin R. Roach)Colaborador: Prof. Dr. Caramuru Afonso Franciscowww.escoladominical.com.brtodos direitos reservados