A AO PEDAGGICA DO DIRETOR DA EBD

  • Published on
    06-Jun-2015

  • View
    7.106

  • Download
    1

Transcript

A AO PEDAGGICA DO DIRETOR DA EBDUm trabalho alm de "abrir e fechar" a Escola Bblica Giseli Barreto da Cruz O ato de dirigir a Escola Bblica bastante abrangente. A pessoa escolhida para este fim no pode restringir sua ao a um mero acompanhamento do funcionamento das classes no domingo. H muito o que fazer! Os diretores de EBD que no contam com a orientao de um Conselho de Educao Religiosa podem buscar a assessoria de profissionais da educao que so membros da igreja, e, assim, encaminhar aes que contribuam para o aperfeioamento do processo ensino-aprendizagem. Pretendemos com este trabalho oferecer subsdios para aqueles que desejam exercer uma interferncia pedaggica na EBD, e, consequentemente, desenvolver na igreja um estudo bblico com qualidade. Duas questes centrais precisam fundamentar o fazer pedaggico do diretor da EBD: Como favorecer a ministrao de um ensino bblico relevante? E o que fazer para melhorar a EBD? Segundo Gagliardi Junior, trs elementos envolvidos no processo de ensino por si s garantem a relevncia desse processo: "O que se ministra - a Palavra de Deus; a quem se ministra homens e mulheres, criaturas de Deus; e para que se ministra para expanso do Reino e glria de Deus." Diante disso, no podemos nos contentar com qualquer ao. Precisamos estar atentos no processo como um todo, na relao professor-aluno e aluno-aluno, na dinmica organizacional e na formao dos professores. O que, com certeza, nos ajudar a melhorar a EBD e a buscar a sua relevncia. Nosso desejo que, as questes que abordaremos a seguir, sejam assumidas como material sugestionador. Apontaremos caminhos que, acreditamos, contribuiro para o redimensionamento do trabalho. Planejamento Definir os caminhos da ao fundamental para o desenrolar do processo e um bom comeo para a direo da EBD. Esta importante etapa, segundo Danilo Gandin, pode se dar atravs da caracterizao da realidade existente, projeo da realidade desejada e definio das necessidades. Entre o que se tem e o que se quer, h uma distncia que pode ser encurtada com a satisfao das necessidades. "Planejar , de fato, definir o que queremos alcanar; verificar a que distncia, na prtica,estamos deste ideal e decidir o que se vai fazer para encurtar esta distncia." Formao Continuada dos Professores A direo da EBD precisa ser criteriosa na composio do corpo docente. Os professores devem ser bem escolhidos e preparados. Ser fiel, assduo, pontual e sujeito da prxis (teoria e prtica dialeticamente integradas) so alguns vis do perfil deste educador. O preparo

precisa se consolidar atravs de um programa de formao continuada que contemple aes integradas e progressivamente dinamizadas. Cremos que um diretor de EBD pode contribuir para a formao de sua equipe, encaminhando, entre outras coisas: Reunio Pedaggica peridica para estudo, reflexo, troca de experincia, avaliao e redirecionamento da proposta de trabalho. Viso Panormica da Unidade Temtica em estudo, para abordagem dos conceitos principais e levantamento de questes para aprofundamento. Cursos que explorem aspectos diversos, a partir das necessidades dos professores: Interpretao Bblica; Metodologia de Ensino, Preparao de Aulas; Aprofundamento Teolgico; entre outros. A organizao de uma biblioteca bsica, adquirindo, pelo menos, a cada perodo, um comentrio bblico a respeito do assunto em estudo. A entrega de material complementar como, por exemplo, comentrios bblicos que possam esclarecer o texto a ser estudado. Pesquisas para levantamento das necessidades.

Ministrao do Ensino Um diretor de EBD precisa incluir em seu plano de ao o acompanhamento do processo ensino-aprendizagem. No basta definir o que vai ser ensinado, fundamental que se preocupe com o como vai ser ensinado. Uma grande dificuldade da Escola Bblica tem sido justamente o encaminhamento de aulas meramente expositivas, centradas predominantemente no professor. Sendo nossa meta um ensino bblico com qualidade, devemos considerar a possibilidade de que este acontea a partir de um trabalho educativo participativo. O diretor pode ajudar, criando oportunidades, como as que descrevemos anteriormente, em que o corpo docente seja confrontado com uma proposta de ministrao de ensino em que se priorize a ao do aluno e do professor. Onde situaes de ensino sejam planejadas para possibilitar a participao do aluno de uma forma to efetiva quanto a do professor. O bom professor aquele que consegue provocar nos seus alunos uma louca vontade de aprender o tema em estudo. E aprender construir, lidar com um conhecimento que se articula a partir de uma idia mental criativa. Logo, s ouvir no d conta do processo. necessrio forar o exerccio mental construtivo do aluno. Relao Professor-Aluno e Aluno-Aluno extremamente valioso quando h um envolvimento maior entre o aluno e o professor. Expresso, inclusive, em experincias da vida real que extrapolem os limites das aulas semanais. importante que o aluno veja, na prtica, na vida do seu professor o que ele ensina. Quando o professor interessa-se pessoalmente pelos seus alunos, aconselhando-os e ajudando-os em tudo o que for possvel, est contribuindo decisivamente para um ensino relevante.

Os alunos tambm precisam ser estimulados ao exerccio da mutualidade. Isto , ministrarem uns aos outros, a fim de construrem a unidade. Como vemos, o relacionamento interpessoal um aspecto tremendamente significativo, no podendo deixar de ser considerado pela direo da EBD. Atividades extra-classe, clulas de comunho, discipulado... so alguns procedimentos que podem ser encaminhados pelo diretor. Mas, sobretudo, insistir no desenvolvimento de uma relao dialgica, quando, nas aulas, os alunos sentem-se a vontade para colocar suas questes, compartilhar experincias, e o professor, habilmente, aproveita as diferentes falas e situaes para a explorao do conceito em estudo. a busca pelo predomnio da troca, da partilha, da comunho, do cuidado uns com os outros... Dinmica Organizacional Para que as iniciativas j comentadas provoquem resultados minimamente satisfatrios, torna-se necessrio o cuidado com as condies para o trabalho. Nesse sentido, ao tambm do diretor atentar, entre outras coisas, para os critrios de formao dos grupos de estudo, a quantidade de alunos possvel, o horrio de funcionamento, o material que vai ser utilizado e os registros atualizados. Os grupos de estudos ou as classes, como comumente so chamadas, no devem obrigatoriamente ser divididas por faixa etria e sexo. O que deve definir a organizao a proposta curricular. Um curso bsico precisa ser criado para os iniciantes. Aps o trmino do curso bsico, comum a jovens e adultos, estes, ento, podero ser inscritos em classes ou departamentos, sem que haja, no entanto, rigidez neste critrio e forma. Por que no organizar os grupos por interesses, conhecimentos bblicos, escolaridade? Quanto a quantidade ideal de alunos, temos a dizer que os grupos no devem ser grandes. Preferencialmente no exceder a 20 alunos para cada professor. Justamente para facilitar uma ministrao de ensino a partir de um trabalho educativo participativo, com o predomnio da relao dialgica e o cultivo de um bom relacionamento interpessoal entre todos. O horrio de funcionamento, assim como o tempo dedicado ao ensino, no devem ficar presos a costumes e hbitos. A Escola Bblica no tem que necessariamente ser dominical. E o tempo de aula deve ser o maior possvel. Assim como nos demais aspectos, o que deve definir a escolha do material a ser utilizado a proposta curricular. Esse material, contudo, no pode resumir-se a revista. Verificamos que a utilizao da revista uma prtica comum para facilitar e, de certa forma, uniformizar o estudo bblico ministrado em nossas igrejas. bom que os alunos possuam um material que lhes auxilie na descoberta e arrumao dos conceitos bblicos. Podendo ser a revista ou no. O que no bom que este material deixe de ser um auxlio e passe a ser um fim em si mesmo. O encaminhamento da aula no pode limitar-se ao estudo da revista. Nosso contedo o teolgico, e a Bblia o livro-texto. Precisamos, como nos indica Gagliardi Junior,

"...contar com ortodoxia de contedo. Isto ter a Bblia como o seu livro-texto e ser fiel a ela em seus ensinos e doutrinas." A organizao pedaggica da EBD precisa considerar a utilizao de instrumentos que garantam a atualizao dos registros: Cadastro dos professores; ficha individual dos alunos; fichrio de alunos em perspectiva e anotao das visitas. Estes dados ajudaro nos diferentes encaminhamentos do trabalho. Proposta Curricular e Avaliao Peridica Em vrios momentos nos reportamos a necessidade de definio da proposta curricular. Esta se constitui no eixo direcionador do trabalho. O diretor que deseja exercer uma ao significativamente pedaggica, no pode abster-se de se envolver nesta rea. O currculo implica numa srie de fatores: alunado a que se destina, realidade, necessidades... No tarefa nossa, nesse Encontro, discutir os caminhos de sua construo. Pontuamos, no entanto, a necessidade da direo da EBD ampliar a sua viso em relao a esse aspecto. Um procedimento que pode ajudar bastante, aliviar a carga de responsabilidade do diretor e facilitar a articulao desta construo, a organizao de uma comisso de currculo. Esta comisso pode ser formada pelo pastor da igreja, por um pedagogo e por um professor da EBD. Juntos, encontraro, mais facilmente, meios de avaliar, pesquisar e definir os ciclos de estudo adequados a realidade e necessidade da igreja. A avaliao precisa ser assumida como aliada. Com a funo de diagnosticar o processo, ela sinalizar os acertos a serem feitos. Assim, o diretor da EBD deve prever a sua prtica sempre. Cada ciclo de estudo precisa ser avaliado. Colher, atravs de pesquisas, a opinio dos alunos sobre o programa e desenvolvimento da classe e sobre o desempenho dos professores, uma das etapas avaliativas. A outra deve referir-se aprendizagem, e pode acontecer atravs de exerccios ou questes subjetivas. O processo avaliativo deve estar intimamente articulado proposta curricular. Divulgao Divulgar a EBD uma estratgia que, com certeza, influenciar no pedaggico. A criatividade do diretor e sua equipe produzir boas idias. Para exemplificar, contudo, destacamos algumas dicas sinalizadas por Olga Nogueira SantAnna em seu artigo: Por onde recomear? Cartas aos faltosos e membros da igreja que no so alunos, convidando para novos cursos, classes ou projetos que foram planejados. Cartazes, faixas, mural da EBD, boletim da EBD, etc.

Um diretor de Escola Bblica que no deseja reduzir a sua ao ao ato de abri-la e fech-la, tem pela frente uma longa jornada, perpassada de muitos caminhos e descaminhos. O trabalho coletivo uma sada. Aliar-se a pessoas da igreja que militam na rea de educao, mas sobretudo, com experincia de vida crist, uma atitude a ser buscada.

So muitas as propostas e grandes os desafios. Esperamos que o Senhor nos capacite e nos ajude a ampliar nossa viso e alcanar novos horizontes em educao religiosa. Sugesto de Leitura GAGLIARDI Jr., Angelo. Educao religiosa relevante. Rio de Janeiro: Vinde, 1993. _____________________. Voc acredita em escola dominical? Niteri, RJ: Vinde, 1985. GANDIN, Danilo e CRUZ, Carlos H. Carrilho. Planejamento na sala de aula. Porto Alegre, 1995. HENDRICKIS, Howard. Ensinando para transformar vidas. Belo Horizonte: Betnia, 1991.

Recommended

View more >